Arquivo X

Espaço para os fãs de Arquivo X debaterem a série.
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Nova por aqui
Qua Jun 24, 2015 7:23 pm por One

» Arquivo X (Novos episódios)
Qua Jun 24, 2015 7:15 pm por One

» Caixa de Arquivo X
Qui Ago 21, 2014 8:17 pm por hugoxrosa

» `Californication´
Sab Out 12, 2013 2:54 pm por Meiline

» GANHEI UM CHINELO DO MULDER E DA SCULLY!!!!
Sab Out 12, 2013 2:51 pm por Meiline

» Melhores casais das séries criminais
Sab Out 12, 2013 2:51 pm por Meiline

» Fics One - Procura
Sab Mar 12, 2011 3:09 pm por Elenice Sousa

» Vocês se lembram de mim?
Sab Jan 01, 2011 7:29 pm por Ma_Scully_

» Arquivo Crepúsculo
Dom Out 24, 2010 9:26 pm por Dana

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Patrocinadores

Compartilhe | 
 

 Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Dana

avatar

Feminino
Número de Mensagens : 465
Humor : Mulderístico
Data de inscrição : 06/03/2008

MensagemAssunto: Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)   Sex Mar 13, 2009 5:55 pm

Essa é uma fic que tempre amei! E sempre quise dividir com vcs, como ultimamente
eu ando meio desocupada, resolvi traduzir ela Very Happy ui, não pedi permissão pra dona da
fic ainda, mas aki é fórum mesmo, e é particular, então, acho que num deve ter problemas...
Bjaum espero que gostem!


Título: Paraíso na Terra
Autora: Flynn
Classificação: DAL, MSR, MulderAngst
E-Mail: flynn121@yahoo.com
Data:Março de 2002
Distribuição: Deixe o endereço e o cabeçalho e me ligue.
Aviso de Spoiler: Existence
Censura: Livre para palavrões
Feedback: Não tem gordura e é muito bom para o coração. Bom,
pro meu coração.
Resumo: Paz pode ser encontrada nos mais inusitados lugares.

Kudos para Christine, minha parceira-escritora e amiga quase
‘Shipper.


Paraíso na Terra
Por Flynn


Acho que cheguei tarde demais. Os carros estão indo embora e
desaparecendo na noite. Eu tento Pará-los. Tento olhar dentro
de cada um, mas está escuro e eu estou com medo. Meu Deus!
Cheguei tarde demais. Scully se foi, levada ou simplesmente
assassinada, e o bebê dela... Como diabos eles a encontraram?
Aquele filho da puta do Crane foi assim que a encontraram. Não
acho que eu já tenha ficado com tanto medo ou com tanto ódio
na minha vida como estou agora. Eu quero matá-lo. Rápido ou
devagar, não importa, só para que eu possa ver a vida se esvair dos olhos dele...

Uma voz me chama me puxando de volta do precipício no qual
estou dançando. Reyes. Ela diz que Scully precisa ir para um
hospital.

Hospital, isso significa que ela está viva.

Viva.

Com as pernas tremendo, eu a sigo para dentro do prédio
abandonado. Que diabos Doggett estava pensando, mandando
elas para uma porra de cafundó como esse? Sem energia, e nada
de água a não ser duas drogas de baldes.

Velas estão espalhadas por todos os lados, e o ar está pesado com
o cheiro de sangue. Sangue. Meu Deus! está em toda parte. Toalhas
e lençóis estão saturados. Numa emaranhado de roupa de cama em
um encosto de cama enferrujado eu vejo minha parceira. Minha vida.
Os olhos dela estão fechados e, merda, ela está mais que pálida. Eu
não posso evitar olhar em volta para o caos novamente.

Sangue.

Tanto sangue.

Eu não me deixo mergulhar nas possibilidades. E eu não
preciso de Reyes para me dizer o quanto urgente é a
situação. Eu a digo para sinalizar para o piloto aterrissar
em algum lugar perto, e então eu vou para a cama.
Minha parceira sabe que estou lá. Não sei como, mas
ela sabe. Os olhos dela se abrem enquanto eu me
agacho ao lado dela. Eles estão vidrados.
“Mulder,” ela sussurra, “me tire daqui.”

Choque. A pele dela está pegajosa e os dentes estão batendo
como se não houvesse amanhã. Se eu não agir rapidamente,
talvez não haja. Eu arranco a minha jaqueta e a enrolo
cuidadosamente em volta dela, esfregando o braço dela
fortemente através do couro. Talvez eu possa passar um
pouco do meu próprio calor para ela. Ela se encolhe e balança
a cabeça tão de leve. “Cuidado... o bebê...”

As palavras dela me param. Bebê. Tome cuidado com o bebê.
Scully teve o bebê dela. Scully Está com o bebê dela. Os
desgraçados não o levaram. Eles não o levaram. Eles não o levaram!

Eu quero olhar, mas não há tempo. Com cuidado, eu escorrego
meus braços em volta dela, levantando e trazendo-a para perto.
“Preciso esquentar vocês dois,” eu sussurro. Ela não fala nada,
apenas acena que sim com a cabeça.

Havia um pano de linho amassado entre as pernas dela, mas a
este ponto ele estava muito encharcado para ter alguma utilidade.
Eu fiz uma careta quando a ergui. Não é o sangue que me incomoda
no momento. Com o tanto de merda que a gente já passou, eu já vi
uma boa quantidade disso. Eu só não quero machucá-la. Ela já passou
por muita coisa. Mas eu preciso levá-la para a droga do helicóptero.
“Agüente Scully. Agüente firme.” Ela acena de novo, e eu sinto os
braços dela se apertarem minimamente em volta do pacote que ela está
agarrando ao seu peito.


Última edição por Dana em Dom Mar 15, 2009 10:19 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dana

avatar

Feminino
Número de Mensagens : 465
Humor : Mulderístico
Data de inscrição : 06/03/2008

MensagemAssunto: Re: Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)   Dom Mar 15, 2009 10:16 pm

O helicóptero está no meio da rua agora deserta. Poeira está
absolutamente voando dos rotores e estou feliz que o bebê está tão protegido
como está. Reyes nos vê chegando, eu correndo, Scully largada em meus braços. Estou
assustado, mas não deixo transparecer. “Está bem,” eu continuo dizendo pra ela.
“Está me ouvindo? Está tudo bem agora.” Não sei se ela consegue me ouvir – nem
mesmo seis e ela está consciente. Reyes já havia aberto a porta e me ajuda a
sentar no banco do passageiro diretamente atrás do piloto. Não há tempo pra se
preocupar com cintos de segurança. Eu sinalizo pra ela se afastar assim que eu
tenho minha preciosa carga cruzada por cima das minhas pernas. “Vai! Droga vai logo!”

Eu olho para Scully enquanto o piloto nos leva para fora
daquele inferno de cidade. A cabeça dela está no meu ombro e os olhos dela
estão fechados. Ela está tão pálida e isso ainda me apavora. “Abra seus olhos.”
Eu mal posso me escutar por cima do grito do motor. “Scully, abra os olhos. Eu
preciso que você olhe pra mim.”

Eu preciso que você me diga que você vai ficar bem... eu
preciso que você viva...

Leva alguns segundos para ela obedecer. Seus olhos ainda
estão vidrados e sem foco, mas ela está ali. Seus lábios se mexem no fantasma
de um sorriso. Claro que ela não pode gritar assim como não pode voar, mas eu
posso ver a boca dela se mover e formar as palavras, “Respiro, Mulder.”

Eu balanço a minha cabeça e beijo a sobrancelha dela.
“Agüente. Agüente firme. Olhe pra mim, está bem? Não desvie o olhar.” Eu
cuidadosamente levanto a minha jaqueta só um pouco e toco na protuberância
escondida entre nós. Já está mais quente. Ainda está tão molhado, seja com
sangue ou com fluidos do parto... e se ele pegar um resfriado? Eu não, por um
minuto, ponho fé nas afirmações daquela enfermeira cadela de que isto é uma super-criança.
Nenhuma fragilidade humana? Desculpe se não engulo essa com anzol, linha e
chumbo.

Eu posso ouvir Reyes chamando meu nome, mas sem fones e
microfones, é tudo que eu posso ouvir. Ela se vira e gesticula para fora da
janela. Eu vejo as luzes brilhantes de um heliporto. Uma cruz vermelha, e de pé
longe, sob as luzes, um pequeno amontoado de pessoas. Esperança e alívio de
repente competem com o terror que estou tentando não mostrar. Scully ainda está
olhando para mim. Seus dentes não estão mais batendo tão forte agora. Isso é
bom, eu me digo quase desesperadamente. Isso tem que ser bom. Não podemos ter
vindo tão longe para terminar em tragédia. Por favor, Deus, Não desta vez.

Leva uma eternidade para a porra do piloto aterrissar. Assim
que as lâminas tocam o chão, Reyes está de pé, se jogando de sua porta e
correndo para abrir a minha. Ela está sinalizando impaciente para a equipe de
trauma com a sua mão livre. “Tudo bem! Você consegue descer? E se você me der o
bebê...”

“NÃO!” Scully late com uma força surpreendente. Os braços
dela se trancam em volta do pacote sem sinal de relaxar. Não sei como ela
consegue. Se eu tivesse passado pelo que ela passou nas últimas poucas horas,
tenho quase certeza de que eu estaria inconsciente.

Eu balanço minha cabeça para Reyes, de pé ao meu lado com os
braços estendidos. “É melhor não.” Eu tenho que gritar o mais alto que posso
para ser ouvido acima das drogas das lâminas dos rotores. “Escuta, eu posso
controlar isto. Traga aquelas pessoas pra cá.”

Ela acena com a cabeça e dá um passo para trás. Há algo na
expressão dela... eu tenho a sensação distinta de que algo está errado, mas
estou ocupado demais no momento para realmente pensar sobre isso. Não importa,
eu digo para mim mesmo. Nada mais importa neste momento do que a pessoa... as
pessoas que estou segurando.

Os próximos poucos minutos são embaçados. A equipe aparece
das luzes ofuscantes e Scully é, sem cerimônias, retirada de mim. Eu preciso
ficar com ela, eu tento dizer, mas ninguém está ouvindo. Vozes soltam
instruções, e de repente eu estou à margem. Eu os assisto a levarem embora na
maca. Eu sinto mais que ouço Reyes chegar atrás de mim. Repentinamente, eu
tenho uma boa idéia do que ela está sentindo exatamente. Inútil. Nós somos
inúteis agora, nós dois.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dana

avatar

Feminino
Número de Mensagens : 465
Humor : Mulderístico
Data de inscrição : 06/03/2008

MensagemAssunto: Re: Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)   Qua Mar 18, 2009 5:39 pm

Então uma das figuras cobertas se vira e nos olha. “Qual de
vocês é Mulder?” ele grita. Eu gesticulo levantando o meu queixo. Ele acena
impaciente. “Venha aqui. Ela quer você.”

Eu pulo atrás dele, como se alguém me tivesse assustado.
Minha parceira me quer. Eu não sou inútil. Que diabos eu estava pensando em
deixar que eles a levassem de mim daquele jeito? Meu lugar é bem ao lado dela,
e cara, neste momento nenhuma força na Terra poderia me manter longe dela.

Uma vez dentro do PS, caos controlado reina. Pessoas se
agitam à nossa volta, fazendo coisas que eu vim a conhecer decor depois de
tantos anos. Manguitos de esfigmos são presos ao braço dela, e um daqueles
oxímetros irritantes é preso no dedo indicador direito dela. Estou
atrapalhando, mas ninguém me diz para sair. Minha jaqueta é arrancada e jogada
em um canto, a camisa de Scully é rapidamente cortada e ela é coberta com um
cobertor direto do aquecedor. O pano sangrento entre as pernas dela é
cautelosamente retirado e substituído por um monte de gazes estéreis. Quando
alguém tenta tirar o bebê dela, ela rosna e resiste. Eu me inclino para perto,
apertando o braço dela enquanto eu sussurro o nome dela, e ela relaxa um pouco.
“Eu olho eles,” eu digo para ela. Ela me dá o mais fraco dos acenos e seus
braços gradualmente relaxam. O pequeno volume de toalhas é levado para um berço
aquecido do outro lado da sala comigo logo atrás. Mais cobertas mornas aparecem
e quando o pacote improvisado é retirado, eu tenho uma visão... dele.
Definitivamente um ele. Enquanto eu o fito, eu percebo que meus olhos estão se
enchendo de lágrimas. Scully fez isto, eu digo para mim mesmo. Scully fez isto
com o próprio corpo dela. Isto é o que lutamos tanto para ter e proteger. Esta
coisinha com pés minúsculos e cabelo quase invisível e bagos do tamanho do meu
punho. Ele é lindo. Meu Deus, ele é lindo.

E ele está puto. Ele começa com pequenos gemidos, quase como
um gatinho, mas sem demora, ele está gritando para os céus. Bom par de tubos,
eu penso com um sorriso entre lágrimas. Há três pares de mãos trabalhando dele,
sugando o nariz e a boca dele com uma seringa pêra, aparando o longo cordão
umbilical, limpando a meleca do rosto e cabeça dele e ele não está gostando da
atenção. Minúsculas mãos se agitam e agarram o ar. Pés chutam e mais sons ecoam
de seu pequenino e trêmulo peito.

Esses sons perfuram meu coração. De repente me ocorre que
ele não está bravo, ele está com medo. Arrancado do calor da mãe dele não uma,
mas duas vezes agora, subjugado por sons e odores e sensações, sem falar das
luzes brilhantes... de repente, eu quero chutar todo mundo na sala. Eu quero
agarrá-lo para longe das mãos curiosas. Eu quero protegê-lo. Eu preciso. Ele
está assustado, ele se sente ameaçado. Você não pode explicar para algo pequeno
e novo assim que você só está fazendo o que precisa ser feito, que ele precisa
ter seu nariz limpo e o rosto lavado e seus pequenos pés esfregados com tinta e
então esticados no formulário de admissão.

Mas tampouco posso eu impedir isso de acontecer. Eu
certamente não posso punir ninguém que esteja fazendo essas coisas. Eu fico
ali, desamparado por um momento. Então sem pensar muito, eu me dobro sobre ele,
bem acima dele para que tudo que ele tenha que fazer é abrir os olhos. Não sei
se ele já pode focar os olhos. Não me lembro do que os livros que eu li têm a
dizer sobre o assunto. Não importa. Eu me inclino acima dele e sussurro para
ele. De repente, ele está se acalmando. O choro frenético pára. Seus olhos se
abrem e ele olha para mim.

Meu Deus, eu vejo a mãe dele na pequena face vermelha.
Safira prata envolta de cobalto. Eu pisco enquanto o fito. Ele me fita
diretamente. Quando toco a mão dele, os pequeninos dedos imediatamente se
fecham em volta de um dos meus. “E aí,” eu sussurro. Meus olhos está se
enchendo de novo. Ele pisca, mas não desvia o olhar. Pisca e fita, pisca e
fita.

Assim que as faxineiras neonatais terminam, elas o embrulham
numa pequenina fralda e numa manta aquecida e sem nem mesmo perguntar,
gentilmente o arremessam nos meus braços. Eu congelo. Pra ISTO eu não estou
preparado. O sangue, a confusão e a preocupação... *aquilo* eu posso lidar. Com
aquilo eu já estou familiarizado. Isto? Ele faz mais sonsinhos enquanto olha
para mim. Eu percebo que estou fazendo alguns eu mesmo. “Ahn... ãn... Eu não...
talvez isto não seja...”

Uma das “faxineiras” sorri para mim. Bem, os olhos dela
sorriem, que é tudo que eu posso ver do rosto dela. “Primeiro?” ela pergunta.
Eu pisco para ela, boquiaberto. Alguém vem atrás de mim e coloca uma máscara em
cima no meu nariz e boca, e ela patê de leve no meu braço. “Você está indo bem,
papai. Quer uma cadeira? Vocês dois podem ir se familiarizando enquanto a gente
trabalha na mamãe.”

Eu me giro de volta para a outra metade da minha existência.
Terror abruptamente agarra minhas entranhas. “Ela está... o que...”

“Opa, calma aí, papaizão.” A mão dela no meu braço serve para
gentilmente me prender. “Parece pior do que é. Ela perdeu sangue, mas ela está
bem. Eles a estabilizaram, e eles estão trabalhando agora para restabelecer o
tônus do útero dela...”

Ela continua de lá, mas eu a ouço superficialmente. Eu mais
ou menos parei de escutar na frase “está bem.” Sorrindo, eu seguro o pacote nos
meus braços um pouco mais perto. Ele faz uns sons leves, quase como se ele
estivesse se embalando e eu acho que sinto um pequeno tremor.

Dormindo ao apertar de um botão. Assim como a mãe dele.

A mãe dele. Ainda ansioso, eu tento seguir o que está
acontecendo de uma distância discreta. A urgência frenética se afilando fora
consideravelmente. Há dois soros correndo, um em cada braço e um monitor
cardíaco está ligado e fazendo barulho. Os sons são ambos estáveis e calmantes.
Eles ergueram as pernas dela agora e estão trabalhando no negócio de restaurar
o tônus do útero – eu nem mesmo quero pensar no que *aquilo* significa. A
enfermeira ao meu lado ainda está comentando algo, mas eu quase não a ouço. Eu
não consigo tirar meus olhos da minha parceira. Ela ainda está pálida, mas está
parecendo melhor a cada minuto. Ela está assistindo e escutando aos
acontecimentos em volta dela com uma expressão entre gratidão e irritação. Eu
percebo que ainda estou sorrindo. Scully sempre foi uma péssima paciente.


Devagar, ela vira a cabeça e seus olhos encontram os meus –
safiras prata envoltas em cobalto – e eu sinto nossa velha conexão voltar ao
lugar.

Eu conheço o coração dela.

E ela conhece o meu.

Não posso dizer quando tempo eu fiquei lá, suavemente
balançando minha pequena carga de um lado para o outro enquanto sua mãe e eu
fitamos um ao outro. A mãe dele. Amo dizer Esso. Scully é mãe. Estou segurando
o bebê dela. É quase tão bom pra ser verdade. Há um abafado arranhar quando a
prometida cadeira é puxada atrás de mim, mas eu não ligo. Eu posso ficar aqui
de pé a noite toda. Estou feliz em ficar aqui. Bom demais pra ser verdade? Não
poderia possivelmente ficar melhor.

E então fica. A pálida mão aparece de trás da coberta e
lentamente acena para mim. Deus, ela deve estar totalmente exausta, eu sei que
ela está, mas quando eu chego mais perto eu vejo o sorriso dela. Está fraco,
mas é real. Jesus, estou chorando de novo. Eu soluço um pouco quando El me
dobro baixo e me aninho na testa dela pela máscara de papel. “Olha, Scully,” eu
sussurro, segurando meu pacote para cima só um pouco. “Você tem um filho.”

Os olhos dela estão macios e comlágrimas, assim como os meus. A voz dela está
rouca e eu me encolho ao pensar no que pôde fazer ela soar daquele jeito. “O que
você sabe sobre isso.” Os olhos dela sobre meu rosto, e o seu sorriso cresce um pouco
mais. “Por uma estranha ironia do destino, você também.”
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dana

avatar

Feminino
Número de Mensagens : 465
Humor : Mulderístico
Data de inscrição : 06/03/2008

MensagemAssunto: Re: Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)   Sex Mar 20, 2009 5:07 pm

Está quieto agora. As enfermeiras tentaram há algumas horas,
me banir para a sala de espera, mas Scully as vetou zelosamente, usando tudo de
credenciais profissionais a ameaças de ligar para o AD Skinner e então o
Diretor em pessoa se elas não me deixassem em paz. Elas sabiamente
deixaram o assunto de lado.





Estou sentado aqui há horas, segurando o bebê e assistindo
minha parceira dormir.





O pensamento do que ela passou lá fora me torce as entranhas
em nós. Eu
tento não pensar sobre isso. Claro que eu falho miseravelmente.





Como se sentindo minha agitação, o bebê... nosso bebê... se
mexe e solta um pequeno choro. Eu acaricio a penugem na cabeça dele com a mão
em colher. “Volte a dormir,” eu sussurro, tocando sua testa com um leve beijo.
Os dedinhos minúsculos se arremessam para a minha camisa, e ele grunhe
suavemente enquanto volta a dormir.





Eu ouço o som da respiração dele. Eu escuto à da mãe dele. E
eu sinto. A mudança é tão pequena que tenho certeza que ninguém à minha volta a
tenha sentido. Scully mesmo pode não ter sentido, se ela estivesse acordada.
Mas algo está diferente. Não é preciso um diploma em psicologia para descobrir
também.





Minhas prioridades estão mudando. Elas têm que mudar.





Não sou mais a parte mais importante da minha vida.





Meu tempo nos Arquivos X se acabou. Meu trabalho lá está
terminado.





Está na hora de planejar. Coisas simples como contas para
faculdade. Problemas levemente mais complicados como onde iremos viver. Como
vou sustentar minha família. Como vou proteger minha família.





Vamos trabalhar nisso. Scully e eu vamos trabalhar nisso
juntos. Eu sorrio quando olho para ela, dormindo placidamente pela primeira vez
em quem sabe quando tempo.





Está na hora de pensar e de fazer planos para o futuro.
Nosso futuro.





Está na hora de viver.





Enquanto eu faço carinho suavemente no cabelo dela, eu me
encontro agradecendo... alguém. Por meu filho. Por esta mulher. Por me deixar
voltar para isto, para testemunhas e ser parte.





Estou sentado na minha cadeira e arrumo meu filho um pouco
mais perto.





Quem diria? Quem diria que o Paraíso na terra pudesse ser
encontrado em um hospital no nordeste da Geórgia?








Fim
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Heaven on Earth by Flynn (Traduzida por DKSM)
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Arquivo X  :: Fics da série :: Fics da série-
Ir para: